Alexandre Pais

TagOutra vez segunda-feira

Os avisos de Erikson que Luís Filipe Vieira não leu

O

Passei no Algarve aqueles dias de férias em que normalmente ignoro as desgraças do dia a dia na paróquia, objetivo não cumprido este ano por absoluta incapacidade de pôr de parte o ‘caso’ Luís Filipe Vieira. Mesmo assim, pude dedicar-me à leitura e logo mergulhei no ‘bestseller’ de Thomas Erikson, ‘Rodeado de psicopatas’, editado pela Lua de Papel, que o especialista em comunicação sueco lançou...

João Mário vai sonhar para outro lado

J

Os tempos são o que são e, por muito que um profissional ganhe, aquilo que tem sabe sempre a pouco. Mas confesso que me entristece ver um jogador que podia ficar como símbolo de um clube trocá-lo por um prato de lentilhas… ou talvez mais. Ainda há semanas, João Mário dizia que o título obtido pelo Sporting tinha sido o concretizar de um sonho de criança, o que parecia sincero e normal, uma...

Batemo-nos bem, olhemos para o futuro

B

Não sei o que me vai custar mais: se ter de recuperar da desilusão que o afastamento da Seleção do Europeu me provoca ou se ser obrigado a ouvir o chorrilho de imbecilidades que virão de todo o lado durante semanas. A verdade é que Portugal esteve bem e bateu-se melhor, mas não lhe calhou a sorte do jogo, arrecadada pelo Hazard mais novo quando executou o remate da vida dele – e o único da sua...

Vamos com o engenheiro até ao fim

V

Com a devida vénia, transcrevo um ‘post’ de José Paulo Fafe, no Facebook: “Então é assim: até aos 35 minutos do jogo, Fernando Santos era um génio. Quatro minutos depois, passou a ser ‘um medíocre’. Depois do intervalo, aos 51, o ‘engenheiro do penta’ ganhou o epíteto de ‘besta’. Agora, aos 60, ‘este gajo nem para o Cascalheira serve’. É Portugal no seu melhor.” As barbaridades que se têm lido e...

E de súbito: Civilização, 2 – Barbárie, 0

E

Christian Eriksen e o seu colapso de Copenhaga, que todos acompanhámos com horror, recordaram-nos, uma vez mais, como a vida é frágil e como, de repente, tudo acaba. Uma criança de três anos e outra de seis meses correram o risco de não verem mais o pai voltar para casa… Uma lição para quem passa o tempo a inventar dramas, não desfrutando daquilo que na verdade é importante! Não pertencem a...

A inveja social na revolta da marquise

A

Para alguma coisa havia de servir a praga da covid. Sim, o bicharoco tem uma utilidade: a de fazer adormecer rapidamente os problemas comezinhos da nação, sejam eles as diabruras do ministro Cabrita, o descalabro das audiências da Cristina, o grande êxito das manifestações de massas “Vieira rua” ou a marquise do Cristiano Ronaldo, esse motivo de suposta revolta popular que entrou diretamente para...

E tudo se resolve com o tiro ao Cabrita!

E

Praticar tiro e colocar no alvo Eduardo Cabrita – que podia ser ministro da Cultura, do Trabalho ou da Apanha de Bivalves com a mesma competência com que tutela a Administração Interna – tornou-se num desporto nacional. Infelizmente, sobram motivos para isso, e quando não sobram, arranjam-se. É o caso do rescaldo do regabofe dos ingleses, no Porto, a que o país assistiu como se nada se tivesse...

A burrice histórica de Bartomeu ao despedir Luis Suárez

A

Quando morremos, nada depende de nós, tudo acabou. Situação totalmente diferente é quando alguém entende que estamos mortos ou tem uma enorme vontade que isso aconteça. Aí, alto, isso já depende de nós. E compete-nos não permitir que o corpo arrefeça. Como madridista, nunca fui grande fã de Luis Suárez, não tanto pelos amargos de boca que me deu e mais pelo estilo quezilento com que os árbitros...

Tudo nasceu do golpe de asa de Varandas

T

Têm-se procurado diversas explicações – notando-se mesmo algum desespero nessa busca – para o título conseguido pelo Sporting. Talvez a mais utilizada seja a da campanha serena dos leões no plano nacional, uma vez que cedo se viram afastados da competição europeia, enquanto os principais rivais se “matavam” com jogos ao meio da semana. Sim, isso é um facto. Outro raciocínio, igualmente muito...

A propósito de Raúl de Tomás que já cá não está

A

Em Espanha, o Espanhol de Barcelona – sétimo na tabela dos clubes históricos do país vizinho – garantiu o regresso a La Liga, com o ex-benfiquista Raúl de Tomás como máximo artilheiro do campeonato: 22 golos, a três jornadas do fim. Um “matador” um bocadinho mais eficaz que a oitava maravilha que o rendeu na Luz e que os encarnados esperam vender por 150 milhões… mas só para o ano. Sim, porque o...

Alexandre Pais

Arquivo

Twitter

Etiquetas