Alexandre Pais

TagBenfica

Que fará Rui Costa com a sua vitória?

Q

Desta vez sim, a presença da família mais do que se justificava: foi estrondosa a vitória de Rui Costa nas eleições do Benfica. Nada que não se estivesse à espera, mas depois de termos visto o que aconteceu em Lisboa com Fernando Medina, colocar pelo menos a hipótese que o vencedor antecipado pudesse não o ser tornou-se quase obrigação. Claro que no lugar de Carlos Moedas compareceu, no duelo da...

Destino traçado no debate na BTV

D

Houve empate técnico, ontem, na BTV! Calma, refiro-me apenas à falta de preparação dos candidatos quanto ao modo de enfrentar um debate na TV: não procuraram convencer os sócios – olhando para a câmara, como mandam os livros – e contentaram-se em tentar obter o beneplácito de Luís Costa Branco, que só pode estar mais do que decidido quanto ao sentido do seu voto. Ele e eu, se fosse amanhã às...

O Benfica tem um segundo mestre da tática

O

Quando Rui Costa assegurou a presidência do Benfica foi acusado de oportunismo: os opositores de Luís Filipe Vieira exigiam eleições logo na semana seguinte ou quase. A situação parecia caótica, o que daria vantagem a um qualquer cavaleiro de ‘mãos limpas’ que receberia assim, de mão beijada, um negócio para se entreter. Ficaram a falar sozinhos, como mandam os livros. A seguir, apostaram – não...

A burrice histórica de Bartomeu ao despedir Luis Suárez

A

Quando morremos, nada depende de nós, tudo acabou. Situação totalmente diferente é quando alguém entende que estamos mortos ou tem uma enorme vontade que isso aconteça. Aí, alto, isso já depende de nós. E compete-nos não permitir que o corpo arrefeça. Como madridista, nunca fui grande fã de Luis Suárez, não tanto pelos amargos de boca que me deu e mais pelo estilo quezilento com que os árbitros...

A missão quase impossível de Jorge Jesus

A

Desde os anos 50 que o Benfica não tinha, no campeonato, tanta desvantagem em relação ao Sporting. E há duas décadas que não terminava a primeira volta fora dos três lugares cimeiros. Ou seja, o Livro dos Recordes de Jorge Jesus passou a registar máximos negativos. Como gosto do treinador, sofro com ele por isso. Como acho que a bazófia foi demasiada – arrasar, jogar o triplo e etc e tal – tenho...

O adeus de Ferreyra e o caso de Messi

O

O Benfica cometeu o erro de contratar Facundo Ferreyra. Foi mais um, acontece a todos, é o preço do risco que corre quem gere um negócio. Mas feito o mal, há que procurar a melhor forma de o minimizar, reduzindo o prejuízo. Isso sucedeu agora: o argentino fez-se à vida e rescindiu o compromisso, poupando assim a SAD cerca de 5,5 milhões de euros. Faltou essa boa prática a Bartomeu e à sua gente...

Não basta que Jorge Jesus exista

N

Quantos egocêntricos conhecemos ao longo da vida? Muitos. E não precisamos de uma licenciatura em psicologia para distinguirmos facilmente os positivos, cujo ego se desenvolveu em torno de alguns méritos, dos falsos, que mais não pretendem que disfarçar a falta de confiança nas respetivas capacidades, o reduzido apego ao trabalho e a baixíssima autoestima. Sabem que não são capazes e tentam...

Deem-me Cebolinhas e fiquem com os Tavares

D

Passei um belo fim de semana confinado, eis a verdade. Entre as 13 horas e a madrugada foi só gerir, em direto ou em diferido, as múltiplas transmissões televisivas. Além do mais, correu-me bem. Miguel Oliveira ganhou o GP, o Mourinho enganou o Guardiola, Cristiano, Diogo Jota e Bruno Fernandes marcaram, Gelson Martins venceu Neymar, João Félix vulgarizou Messi, a “next gen” avançou no Masters de...

Dois centrais, a idade e o preconceito

D

Voz de comando, eis o que falta no “passador” que é a defesa do Benfica: nove golos sofridos em três jogos, um desastre. Além disso, um meio campo ainda indefinido – à sétima jornada! – macio e pouco eficaz na recuperação da bola, cria à frente dos centrais um deserto que os deixa numa situação de debilidade. Não há Lucas Veríssimo que resolva esse problema. Claro que é mais fácil esquecer as...

Garay no Benfica? Sim, mas o futebol é um negócio

G

Um caso gravíssimo – os 33 anos de Ezequiel Garay e os 37 de Pepe! – fez com que Manuel Serrão e Pedro Guerra se zangassem, no “Prolongamento” da TVI24, e dessem um bom incentivo aos delinquentes que apedrejam autocarros. Serrão abusou da incontinência verbal e Guerra comparou o incomparável: o central portista apresenta-se ainda, apesar da idade, numa condição física que lhe permite competir ao...

Alexandre Pais

Arquivo

Twitter

Etiquetas