Alexandre Pais

TagCorreio da Manhã

Os faróis de sempre metidos ao barulho na RTP

O

Na tarde de segunda-feira, a CMTV só não deu mais um tiro no porta-aviões porque a RTP já é apenas uma lancha especializada em navegar nos impostos: o ‘Rua segura’, apresentado por Magali Pinto, bateu por 9,2% contra 8,5% de ‘share’, o programa ‘A nossa tarde’, do canal público. Mandem embrulhar. A RTP, que segue assim na sua rota de irrelevância, foi esta semana também notícia pela trapalhada do...

O risco de Marta Temido

O

Sou dos que se dão por felizes por Marta Temido ser ministra da Saúde quando a covid-19 nos bateu à porta. Não aprecio a sua pouca vocação para o diálogo, mas reconheço que enfrentou a pandemia com coragem, competência e determinação sem quebras. O que me parece hoje é que a falta de paciência para ouvir nos irá meter em trabalhos evitáveis. Nos vários canais, dezenas de especialistas passaram a...

O grande segredo da CMTV (em crónica a duas mãos)

O

No sábado, dia 7, a CMTV voltou a ter mais audiência que os seus concorrentes diretos juntos e o ‘Duelo final’, sobre o Benfica-FC Porto, foi o sexto programa mais visto do dia na generalidade dos canais, com uma audiência total superior a 4 milhões de espectadores.    Não conseguindo ser mais certeiro, reproduzo, com a devida vénia, o que o jornalista Eugénio Queirós escreveu, a...

O ‘fair play’ de Cristina Ferreira

O

Criticam-na pelos erros que comete a escolher programas e protagonistas – como aqui tenho feito e continuarei a fazer –, criticam-na pela voz estridente ou pela ousadia dos decotes, criticam-na pela ostentação das viagens ou dos carros, criticam-na por causa do Casinhas ou pela relevância empresarial – que de facto não tem –, criticam-na por a acharem saloia ou apenas por não ‘irem’ com a cara...

Na despedida de Marta Louro

N

Mesmo de fora, sinto o silêncio e a consternação que perpassam pela redação do CM e da CMTV – e por toda a Cofina – após a trágica morte da jornalista Marta Louro. Admiramos todos, e justamente, a coragem dos repórteres de guerra, na Ucrânia, e quase não reparamos no esforço tremendo que é exigido aos novatos que escolhem esta profissão fascinante mas madrasta. Porque é no aperto e na entrega dos...

Banalização da guerra: o drama seguinte

B

O jornalista Alfredo Leite, da equipa do CM e da CMTV, foi um dos raros ‘maratonistas’ portugueses na tragédia da Ucrânia: 36 dias (!) no cenário de destruição e morte. Sim, porque se ir só ‘assinar o ponto’ já é de aplaudir, ficar por lá várias semanas merece uma ovação. Afinal, é em tempo de guerra que melhor se vê que o jornalismo está vivo e que é preciso ‘cavar’ a informação, ir buscá-la...

Os pobres especialistas do ‘Casados à Primeira vista’

O

Quando vi o empático e apresentável Eduardo Torgal na companhia de quatro mulheres, pensei tratar-se de uma avaliação de encalhadas, mortinhas por arranjar marido. Mas não, era apenas o novo grupo de seis (!) entendidos em relacionamentos – anda por lá a excelente Cris Carvalho, aparentemente remetida à condição de suplente utilizável – contratado pela SIC para descalçar a bota de encontrar...

Casados sem sal nem pimenta

C

Depois da estreia de ‘Casados à primeira vista’, mandaria a prudência suspender a transmissão de edições estrangeiras do programa, na SIC Mulher. É que a comparação com a versão italiana em exibição é dolorosa para a nova temporada portuguesa. Não é de agora a modéstia deste tipo de produções nacionais. O país é pequeno e os concorrentes dispostos a dar barraca na televisão devem contar-se pelos...

José Gomes Ferreira é o homem

J

Na devida altura, defendi nesta coluna que Luís Montenegro seria o adversário ideal de António Costa. Agora, face à sua recandidatura a líder do PSD, confesso ter mudado de opinião. Hoje, o quadro mais bem preparado é o homem que há seis anos, sem pausas ou tibiezas, utiliza um tempo de antena quase diário para apontar os erros socialistas. Aquele homem que minutos após a tomada de posse já...

Agente Fábio Guerra, presente!

A

Um dia, creio que ainda na SIC Notícias, Jorge Coelho prometeu que enquanto estivesse no ‘Quadratura do Círculo’ não deixaria cair o drama da pobreza infantil. Mantendo as óbvias distâncias, recordo-o sempre que sublinho – e isso sucederá até à minha crónica final aqui no CM – as injustiças a que são sujeitos os profissionais da polícia. Desta vez, um agente de 27 anos que face à ‘invisibilidade’...

Alexandre Pais

Arquivo

Twitter

Etiquetas